assinar a newsletter

Filtrar:


Acervo no novo Anexo Millan

COLETIVA
12 . Jan . 2016  -  15 . mar . 2016 , Anexo Millan

ter - sex, 10h - 19h; sáb, 11h - 18h
  • Afonsotostesanexo
  • Lenora_low
  • 3
  • Tb_6130_120x50x30cm_2013
  • Tu_7119
JOSÉ RESENDE | RODRIGO BIVAR | ANNA MARIA MAIOLINO
LENORA DE BARROS | MIGUEL RIO BRANCO | AFONSO TOSTES
TATIANA BLASS | NELSON FELIX | ARTUR BARRIO | TUNGA
PAULO PASTA | DUDI MAIA ROSA | EMMANUEL NASSAR
Há um fora dentro da gente e fora da gente um dentro

PAULO PASTA
13 . nov . 2015  -  19 . dez . 2015 , Galeria Millan e Anexo Millan
abertura 12 . nov . 2015, 19h - 23h
ter – sex, 10h – 19h; sáb, 11h – 18h
  • Testesite
    Sem título, 2015
    Óleo sobre papel
    150 x 206 cm
  • Pp_7636_250x300
    Intermezzo, 2015
    Óleo sobre tela
    240 x 300 cm
  • _mg_1547
    Sem título, 2014
    Óleo sobre papel
    50 x 65 cm
  • _h5a1264
    Sem título, 2015
    Óleo sobre papel
    150 x 196 cm
  • Pp_7635_250x300
    Sem título, 2014
    Óleo sobre tela
    240 x 300 cm

A partir do dia 12 de novembro, quinta-feira, a Galeria Millan apresenta a nova exposição individual de Paulo Pasta. Intitulada Há um fora dentro da gente e fora da gente um dentro, verso do poeta Francisco Alvim, a mostra marca a inauguração do novo espaço da Galeria: o Anexo Millan. A exposição ocupará simultaneamente os dois endereços da Millan na cidade. No espaço tradicional da galeria serão expostas telas abstratas, marcadas por uma intensa e ambígua atmosfera cromática e refinada estrutura geométrica, que são responsáveis por seu inquestionável protagonismo na pintura contemporânea brasileira. Mas junto delas será possível ver uma das paisagens produzidas recentemente pelo artista tomando como ponto de partida o entorno de sua cidade natal, Ariranha. No Anexo Millan, situado a poucos metros de distância da galeria, o mesmo processo de fricção estará presente no bloco expositivo. Dedicado às paisagens, o novo espaço abrigará ainda uma enorme pintura feita na parede. Na abertura, será lançado também o livro Fábula da Paisagem, com 28 paisagens do artista. A mostra fica em cartaz até 19 de dezembro.

José Resende

22 . ago . 2015  -  26 . set . 2015 , Galeria Millan
abertura 22 . ago . 2015, 12h - 16h
ter – sex, 10h – 19h; sáb, 11h – 18h
  • _h5a6831
    Dobras, 2015 Aço (sac 50) 210 x 210 cm
  • _h5a6845
    Corpo de prova II, 2015 aço inoxidável e fio de aço 300 x 665 x 90 cm
  • _h5a6764.jpg
    Upside down, 2015 tudo de latão com cabo de aço 600 x 200 x 100 cm
  • _h5a7501
    Dobras, 2015 Aço (sac 50) dimensões variáveis

A individual de José Resende na Galeria Millan pode ser compreendida como um desdobramento da exposição realizada na Pinacoteca do Estado de São Paulo, entre abril e junho de 2015.  Até caberia dizer que a exposição vem a ser um transbordamento através do espaço e do tempo.

Na Millan, a mostra também é composta apenas por esculturas recentes e inéditas. Mas engana-se quem, apenas, antevê uma nova etapa do trabalho de José Resende - composta por projetos e soluções inovadoras. Pois o caminho percorrido nos 50 anos de produção do artista é de um “eterno retorno”; um continuum refletido e surpreendente. O humor, a tensão, as oposições de sentido, o movimento latente e a sua inscrição no espaço público sempre estiveram e estão presentes em sua obra.    

É inegável que a escultura de José Resende explora as relações entre a cidade e o corpo. Seja pela escolha de materiais– chapas e tubos metálicos, pedras, vidro, tecidos -,  ou seja pelo embate direto da obra – entre verticais, horizontais, diagonais e curvas – com o entorno. Guiado por um rigoroso pensamento plástico e uma imaginação lúdica, o artista, através de suas esculturas, provoca uma outra visibilidade sobre a paisagem urbana, a corporeidade e a mobilidade do mundo.

Aliás, a ideia de imprecisão do movimento é algo que une as obras de Resende expostas na Galeria Millan. A escultura Dobras (2015) é constituída pelo encaixe de duas chapas de aço: uma circular, dobrada ao meio, com duas fendas em “v” e outra em formato de meia lua. A densidade e a resistência das chapas inspiram uma permanência; uma estabilidade aparente. Que logo cai por terra quando percebe-se que há uma multiplicidade de possibilidades escultóricas dentro da mesma escultura – basta mudar o encaixe da chapa em v. É na ideia de um obra aberta que reside seu movimento, sua tensão constante.

Vale ainda por fim, ressaltar que se na Pinacoteca, a obra Dobras (2015) estava disposta como um par de esculturas idênticas, já na Galeria Millan, a peça se desmembra e aparece como um conjunto de esculturas, em diversas dimensões.

A obra inédita Corpo de Prova II, 2015 alcança outro tipo de movimento. O título já faz uma alusão ao que está em jogo na escultura. O cálculo e a precisão da engenharia são suficientes para controlar a imprevisibilidade da imaginação e do caráter sugestivo da forma plástica? De um lado, dois tubos de aço inox escovado de 4 metros, do outro, dois tubos de aço inox polido também de 4 metros inclinados e, ambos, conjuntos estão ligados por um cabo de aço. Corpo de Prova II remete a procedimentos anteriores - como nos vagões de trem suspensos por cabos de aço e ainda em algumas esculturas da década de 1970 - mas apresenta novas soluções: um balanço pressuposto e potente.

No átrio da galeria, a obra inédita Upside Down, 2015 – constituída por tubos de latão conectados por cabos de aço - impacta pela sua monumentalidade, pelo humor e pelo desafio da gravidade. Mesmo a despeito da leveza e da qualidade aérea da obra que, aliás, parece criar um volume virtual que avança em direção do corpo do observador, Upside Down, com os seus 6 metros de altura, tem como desafio se manter em pé. A escultura também excede em termos de escala o ambiente onde está instalada; há uma tensão entre obra e arquitetura, as dimensões dos espaços – como as colunas, a espessura das paredes, as passagens, os revestimentos de parede, o piso, o teto – são revistas.

Travessias

GERMAN LORCA
28 . jun . 2015  -  25 . jul . 2015 , Galeria Millan
abertura 27 . jun . 2015, 11h - 15h
ter – sex, 10h – 19h; sáb, 11h – 18h
  • Gl_57
    Janelas e Reflexos, 1978/1985 Painel composto por 28 fotografias de época Em gelatina de sais de prata com viragem de selênio 103 x 230 cm
  • Gl_55_0771_
    Fumante, 1954 Cópia de época em gelatina de sais de prata 43,5 x 36,5 cm
  • Gl_02
    Aeroporto, São Paulo, 1965 Cópia de época em gelatina de sais de prata 34 x 45 cm
  • Gl_43
    Sinal Positivo Negativo, 1970 Cópia de época em gelatina de sais de prata 44,8 x 34,6 cm

Como aproximar-se da obra de German Lorca, que aos 93 anos e com mais de 70 anos de atividade, ainda nos surpreende? A exposição Travessias que acontece na Galeria Millan, em parceria com a FASS galeria, tenta abordar essa e outras questões. A mostra reúne vinte e sete fotografias do artista, produzidas entre 1948 e 2014, contemplando sete décadas de produção ininterrupta.

Sabe-se que Lorca é um dos fotógrafos mais importantes dos "fotógrafos modernos paulistas", todos membros do Foto Cine Clube Bandeirantes, nas décadas de 40 e 50. O grupo soube se apropriar do crescimento vertiginoso da cidade de São Paulo do período. A cidade moderna pedia uma nova iconografia que a representasse. Lorca, por meio da experimentação e de seu instinto moderno, encontrou essa nova forma e fez do urbano personagem vivo de suas imagens.

Mas a exposição Travessias demonstra que a linguagem da fotografia de German Lorca transcende o repertório da chamada fotografia moderna; há uma evolução. São do princípio imagens celebradas como "Malandragem" (1949) e "Troncos cruzados" (1955).

Já nos anos 1960, é possível perceber em sua fotografia uma pesquisa gráfica e formal. São imagens que causam estranheza, como “Folhagens”, a janela “Mondrian”, “Andaime”, todas de 1960. Ou ainda mesmo  “Aeroporto” (1961 e 1965), onde a imprecisão e um conjunto de silhuetas provocam movimento.

Na série de fotografias realizadas em Nova York, em três viagens distintas (1967, 1978 e 1982), a cidade não se revela em sua magnitude; são planos fechados que constroem um mosaico de espelhos, vitrines e fachadas.

O tempo trouxe para a fotografia de German Lorca uma limpeza, um poder de síntese tal como em “Circulo quadrado” (2007).

Em sua série mais recente, realizada em 2014, o que importa é a composição da imagem e a busca pela a essência da forma, com os jogos de luzes e sombras criados pelo sol em diferentes horas do dia e da noite.

A exposição Travessias apresenta a obra de German Lorca não apenas como parte da história da fotografia moderna brasileira, mas como o desenvolvimento de uma linguagem visual coerente e original que se inicia no final dos anos de 1940 e chega até a segunda década do século XXI.

 

 


 


 

 

 

 

Lapa

RODRIGO BIVAR
08 . mai . 2015  -  06 . jun . 2015 , Galeria Millan
abertura 07 . mai . 2015, 19h - 22h
seg – sex, 10h – 19h; sáb, 11h – 18h
  • Teste2

Conhecido por seu trabalho figurativo, Rodrigo Bivar apresenta em sua nova individual na Galeria Millan, intitulada Lapa, obras abstratas. São cerca de 15 óleos inéditos – de grande, médio e pequeno porte – que propõem uma espécie de “jogo mental” sobre o espaço na pintura; onde a estrutura permanece, com cores e formas que aparentam se deslocar na tela.


Rodrigo Bivar vem trabalhando em sua incursão abstrata há dois anos. A mudança não implicou apenas uma transformação estética, - onde, por exemplo, a cor se liberta de seu uso secundário na imagem e assume o papel de protagonista na pintura -, mas como também houve uma renovação no fazer artístico, onde o processo torna-se essencial.


O preparo das tintas também mudou: a tinta à óleo leva gema de ovo, ganha em transparência e permite aos trabalhos jogos de luz. A cera de abelha, usada pelo o artista, retira o excesso de brilho da tinta. Em cada tela, Rodrigo Bivar busca contrapor a rapidez na apreensão das imagens com a lentidão com que foram produzidas.


Para esta individual, o tradicional bairro da Lapa, zona oeste de São Paulo, onde Bivar mantém seu ateliê, foi fundamental. A arquitetura da região – paredes, portas, janelas -, se desfigura e, em seu lugar, surgem cores e formas que ocupam o espaço da pintura.


Se por um lado, Lapa denota essa ruptura na trajetória artística de Rodrigo Bivar, por outro, evidencia a relação afetiva que o artista possui com o bairro onde trabalha, tal como ele próprio enfatiza: “Sem me dar conta, a Lapa e suas cores adentraram na minha pintura.“

contrato social

RUBENS MANO
17 . mar . 2015  -  17 . abr . 2015 , Galeria Millan
abertura 14 . mar . 2015, 13h - 18h
seg – sex, 10h – 19h; sáb, 11h – 18h
  • Rm_sob_contrato_2015_bx
    subcontrato, 2015
  • Rm_contrato_social_bx

Em sua nova individual na Galeria Millan, contrato social, o artista Rubens Mano expõe 17 trabalhos inéditos – entre fotografias, instalações, vídeo e objetos – que informam como certas tensões culturais, políticas e sociais materializam-se no espaço e ‘naturalizam’ determinados processos de fixação territorial.

A exposição desdobra uma pesquisa iniciada em outras duas individuais do artista: let’s play (Galeria Casa Triângulo, 2008) e incessante – incurável (Galeria Millan, 2011). Enquanto na primeira a abordagem recaiu sobre implicações decorrentes da inscrição do artista e da obra de arte no espaço expositivo, na segunda, Rubens Mano se debruçou sobre distintos aspectos definidores da superfície visível do universo artístico. Agora, o artista expande a investigação para os processos de apropriação de territórios e suas implicações e expressões na constituição de espaços. Como ele próprio diz: “É no território do instável que se moldam as formas do aparentemente estável”.

A individual ocupa todo o espaço da Galeria Millan. No andar térreo, além de fotografias (como as da série natureza privada) e objetos, o artista exibe uma instalação na área externa, que recebe o mesmo título da exposição. O andar superior será ocupado por fotografias e também um vídeo, intitulado análise de sistemas.

Em contrato social, Rubens Mano explora certas complexidades constitutivas do espaço e como estas se desdobram em múltiplas dimensões da vida privada e pública, individual e coletiva, natural e cultural.

NO SOUND

EXPOSIÇÃO COLETIVA
03 . fev . 2015  -  12 . fev . 2015 , Anexo Galeria Millan
abertura 03 . fev . 2015, 10h - 19h
ter – sex, 10h – 19h; sáb, 11h – 18h
  • Theo_michael_drawing_under_development_01_bx
    Theo Michael

Entre os dias 3 e 12 de fevereiro de 2015, o anexo da Galeria Millan – espaço ainda em construção – recebe NO SOUND, uma exposição experimental (que pode ser entendida happening) curada por Sofia Borges, que também participa como artista. Com obras antigas e inéditas, ela e os artistas Antonio Malta, Erika Verzutti, Paulo Monteiro, Rafael Carneiro e Theo Michael ocupam o espaço em transformação. As obras deste grupo são entendidas pela curadora como “objetos iniciais” ou ponto de partida. Em um segundo momento, eles e outros artistas, como Chico Togni e Suiá Ferlauto, serão convidados a intervir no espaço com a produção de novas obras, desenhos, esculturas, pinturas, peças de teatro, danças e poemas, tendo como suporte objetos e superfícies já presentes na exposição. A proposta da curadora é que a mostra esteja sempre em transformação.

De caráter experimental, NO SOUND gira em torno de conceitos como mimese, linguagem e a impossibilidade de algo ser, em si, plenamente compreensível. Por exemplo, uma obra dos artistas Sofia Borges e Theo Michael será o ato de constantemente renomear todas as obras expostas. A curadora também pretende constantemente alterar a posição dos trabalhos na exposição, para com isso criar novos diálogos entre as obras, o espaço e o público.

Sofia Borges entende que esta exposição acontecerá em quatro fases, sendo duas dentro do espaço expositivo e duas fora dele. A primeira fase pode ser considerada como o “núcleo duro” da mostra, composto pelas obras apresentadas desde o início da exposição. Nesta fase, Sofia Borges exibe fotografias em grande formato, a maioria em tons de cinza: são trabalhos já exibidos entre 2012 e 2014, além de fotografias inéditas. Antonio Malta participa com pinturas a óleo, produzidas em 2013 e 2014, também em grande formato. Erika Verzutti e Paulo Monteiro apresentam esculturas em bronze. Rafael Carneiro produziu uma pintura a óleo especialmente para a exposição, apresentando ainda desenhos do começo de sua carreira.

A segunda fase consiste nos dez dias de duração da exposição, período que pode ser entendido como happening. Nesta fase ocorrerá a criação, in loco, de  novas obras ou de intervenções sobre os objetos iniciais. Nesta etapa, Theo Michael, Rafael Carneiro e Antonio Malta serão convidados a desenhar sobre fotografias em grande formato de Sofia Borges. É desta fase que participará o segundo grupo de artistas, com atuações específicas propostas pela curadora: Chico Togni, por exemplo, será convidado a produzir obras não-figurativas, em tons de cinza, branco ou preto, partindo do conceito de Belo de Platão, com papelão, papel e materiais da construção.

Nas fases que acontecerão fora do espaço expositivo, a curadora convidará pessoas de diversas áreas, onde quer que elas estejam, a produzir obras, textos e reflexões sobre os conceitos da exposição.

Sala de trabalho

AFONSO TOSTES
30 . Jan . 2015  -  28 . fev . 2015 , Galeria Millan
abertura 29 . Jan . 2015, 19h - 22h
ter – sex, 10h – 19h; sáb, 11h – 18h
  • At_millan_2_bx

A Galeria Millan abre a temporada de exposições de 2015 com a mostra Sala de trabalho, individual do mineiro Afonso Tostes, que apresenta nova série de esculturas. A mostra – a primeira do artista na Galeria Millan – fica em cartaz de 30 de janeiro a 28 de fevereiro de 2015; o vernissage será no dia 29 de janeiro, às 19h.

A exposição ocupa o andar térreo da galeria. Inéditos, os trabalhos exibidos são desdobramentos da série apresentada na exposição Tronco, realizada no início de 2014, na Casa França-Brasil, no Rio de Janeiro. São cerca de 50 esculturas realizadas nos cabos de ferramentas empregadas em diversos tipos de serviços, todas de uso manual: foices, martelos, enxadas, pás, rastelos, forcados, facões e outros.

Cada peça é única, não apenas pela intervenção escultórica, também pelo desgaste de uso que cada ferramenta apresenta. A interferência escultórica do artista remete à ossatura humana, em escala real, como se o instrumento fosse a extensão dos corpos que o utilizaram, referindo-se à relação entre o homem e a técnica. A exposição reflete também sobre a convivência de operações rudimentares com as técnicas digitais, que ainda coexistem com processos arcaicos de produção, desigualdade nas relações de trabalho, escravagismo, fome e outros aspectos não superados pelo desenvolvimento tecnológico.

Para o artista, o conjunto das peças, entendida como instalação, pode despertar no espectador uma forte carga de memória, uma vez que um dos elementos presentes nas obras é a própria ação do tempo. O artista espera, desse modo, que o público potencialize e expanda o entendimento em relação aos trabalhos expostos.

Vapor

BERNA REALE
19 . nov . 2014  -  20 . dez . 2014 , Galeria Millan
abertura 18 . nov . 2014, 19h - 22h
ter – sex, 10h – 19h; sáb, 11h – 18h
  • Br_rosa_purpura_baixa

A Galeria Millan realiza, de 18 de novembro a 20 de dezembro, a primeira exposição individual da artista Berna Reale em São Paulo. Com curadoria de Rudolf Schmitz, a mostra Vapor exibe seis vídeos – que registram performances da artista em Belém (PA), sua cidade natal – além de nova série de fotografias. Com forte teor político, a exposição põe em evidência a última fase de Berna Reale, que tem dedicado seu trabalho a denunciar, poeticamente, situações de violência, abusos de poder e conflitos sociais que permeiam seu cotidiano: Berna é perita criminal do Centro de Perícias Científicas do Estado do Pará.

A mostra lançará três vídeos inéditos: Rosa púrpura, Imunidade e Cantando na chuva. No primeiro, Berna e um grupo de 50 colegiais marcham pelas ruas de Belém, seguidas por uma banda militar. Todas as mulheres estão vestidas com uniformes típicos de colégios tradicionais – blusas justas e saias de prega, mas na cor pink -, carregando na boca próteses que remetem a bonecas infláveis. Cartazes com retratos destas meninas serão espalhados por São Paulo, em pontos como cinemas, teatros, centros culturais, escolas de artes e outros, com objetivo de divulgar a exposição e disseminar sua temática. Durante a mostra, a artista alimentará seu website www.bernareale.com com depoimento de algumas das participantes da performance em que descrevem suas experiências com a violência e coação sexual.

Em Imunidade, Berna Reale navega em uma gôndola pelos esgotos de Belém, acompanhada na embarcação por 500 ratos. Este trabalho foi produzido a partir do prêmio da Fundação Joaquim Nabuco à artista. E o vídeo Cantando na chuva é dos mais irônicos: Berna, inteiramente vestida em dourado, incluindo guarda-chuva e máscara de gás, dança soberbamente a música Singing in the rain sobre um tapete vermelho pelo lixão da capital paraense, em meio a catadores.

As obras Americano, Ordinário e Soledade completam o conjunto de vídeos da exposição, exibidos no andar térreo da Galeria Millan. Estes três trabalhos foram produzidos em 2013, mas não foram expostos em São Paulo. Em Americano, Berna Reale leva a “tocha da liberdade” para os corredores de um presídio paraense. Na obra Ordinário, ela carrega em um carrinho de mão ossos de vítimas anônimas de assassinatos. E, em Soledade, a artista trafega por uma rua que integra a rota de tráfico de drogas em Belém em uma charrete romana dourada, puxada por porcos.

No andar superior da Galeria, a artista mostra, ainda, nova série de fotografias, também intitulada Rosa púrpura, em que explora a temática da violência sexual.

Pinturas de onda, mato e ruína

RODRIGO ANDRADE
08 . out . 2014  -  08 . nov . 2014 , Galeria Millan
abertura 07 . out . 2014, 19h - 22h
ter – sex, 10h – 19h; sáb, 11h – 18h
  • Ra_6776_ruina_com_montanha_ao_fundo_40x80cm_2014_corte

A Galeria Millan realiza, de 8 de outubro a 8 de novembro, nova exposição individual de Rodrigo Andrade, chamada Pinturas de onda, mato e ruína, que apresenta as séries inéditas do artista A chegada do tsunami e outras pinturas e Bicromias.

Da primeira, destacam-se obras de grandes dimensões, que exploram a materialidade da pintura na representação da força monumental de certos eventos naturais: a obra A onda do tsunami (240 x 420 cm) projeta a onda para fora da tela, enquanto Chegada do tsunami (240 x 420 cm) recria uma cidade tomada pelas águas. A segunda série, Bicromias, também faz evocação da natureza, em paisagens construídas em duas cores com grossas camadas de tintas que caracterizam o trabalho do artista, e constitui-se de duas pinturas de grande dimensões, como Bosque azul (180 x 240 cm), além de uma série de pequenas.

As pinturas selecionadas evidenciam a mais recente fase do artista, iniciada em 2009, quando Rodrigo Andrade passa a valer-se de registros fotográficos como ponto de partida para suas obras. Nesta exposição, o artista busca inspiração em fotografias de Daido Moriyama, Don McCullin e August Sander (além de imagens de noticiário e fotos do próprio artista) – construindo pinturas carregadas com densas massas de tinta como “um desejo de enxertar realidade na imagem, um desejo alucinatório de fazer uma pintura de paisagem tão concreta quanto a paisagem real”, como explicado pelo artista em entrevista concedida no início de 2014.

Para isso, o artista lança mão de recursos como o jogo e a ilusão, com propósito de instigar sensações de fascinação, hipnose e prazer imediato no espectador. “A palavra ‘ilusão’ significa, literalmente, ‘em jogo’ (inludere), ideia que cai muito bem para a minha pintura”.

A exposição Pinturas de onda, mato e ruína abre no dia 7 de outubro, às 19h, junto com o lançamento do livro Resistência da matéria, editado pela Editora Cobogó. O livro revê sua produção nos últimos cinco anos: apresenta trabalhos de cinco séries diferentes — Matéria noturna, Velha ponte de pedra e outras pinturas, Pinturas do mundo que flui, Pinturas de estrada e Pinturas de onda, mato e ruína – acompanhados de dois ensaios críticos, assinados por Tiago Mesquita e Lorenzo Mammì, e de entrevista de Rodrigo Andrade a Tiago Mesquita, concedida no primeiro semestre de 2014.

rua fradique coutinho, 1360 são paulo, sp brasil 05416-001 | tel/fax +55 11 3031 6007
Agencia-digital-d2b-comunicacao