assinar a newsletter

       Filtrar:
Artistas selecionados para o Festival Sesc_Videobrasil
  • Captura_de_tela_2013-02-07_-s_16.11.47_copy

Lais Myrrha, Lenora de Barros e Rodrigo Bivar estão entre os selecionados  para a  mostra Panoramas do Sul do 18º Festival Internacional de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil. Ao todo, foram 94 artistas escolhidos entre os mais de 2 mil inscritos na convocatória, oriundos de regiões que compõem o sul geopolítico do planeta.  A comissão curadora foi composta por Solange Farkas, Júlia Rebouças, Fernando Oliva e Eduardo de Jesus.

A lista de selecionados (disponível no site) abrange 34 países (nove da América Latina, sete da África, cinco do Oriente Médio, cinco do Sudeste asiático, quatro do Leste europeu e dois da Oceania). Entre os projetos estão instalações, videoinstalações, desenhos, esculturas, pinturas, livros de artista e vídeos.

Recesso de final de ano e programação de 2013


A Galeria Millan entra em recesso entre 23 de dezembro e 13 de janeiro.

No ano que vem, abrimos nosso programa de exposições dia 04 de fevereiro com a mostra B O L E T I M, com curadoria de Paulo Miyada e participação dos artistas Berna Reale, Pedro França, Vijai Patchineelam e Vitor Cesar. Ainda no primeiro semestre, teremos individuais de Emmanuel Nassar, Felipe Cohen e Sofia Birges.

Desejamos a todos boas festas. Até 2013!

Sofia Borges indicada ao Prêmio BESphoto
  • _mg_5168
  • _mg_5169
  • _mg_5184
  • _mg_5210
  • Sb_5390_150x225_2012
  • Sb_5393_150x225_2012
  • Sb_5368_150x150_2011
  • Sb_5391_150x225_2012
  • Sb_5392_185x150_2012
  • Sb_5395_150x260_2012

Indicada por sua participação na 30.ª Bienal de São Paulo, Sofia Borges é uma das quatro nominadas à terceira edição do BESphoto, o mais importante prémio de fotografia português (40 mil euros), ao lado de Albano da Silva Pereira (Portugal), Filipe Branquinho (Moçambique) e Pedro Motta (Brasil). A escolha foi feita por um júri de seleção constituído pelos críticos e curadores Agnaldo Farias (Brasil), Delfim Sardo (Portugal) e Bisi Silva (Nigéria).

Sobre a seleção de Sofia Borges, o júri afirma que a fotógrafa “é uma produtora de enigmas”: “As suas imagens intrigam pelos motivos e situações apresentadas ou pela junção de imagens completamente díspares entre si, produzindo sintaxes insólitas.”

Os seleccionados farão em abril uma exposição no Museu Berardo, em Lisboa, a partir da qual um júri internacional escolherá, no mesmo mês, um vencedor. A exposição do prêmio será posteriormente apresentada no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo. 

(fonte: Público PT)

Lenora de Barros e Thiago Rocha Pitta no leilão do Pivô
  • Convitesuportefin

Lenora de Barros e Thiago Rocha Pitta participam do leilão "Suporte" ao lado de outros 53 artistas que cederam trabalhos para a captação de fundos para os projetos do Pivô (que atualmente ocupa 3,5 mil metros quadrados de um antigo hospital odontológico localizado no edifício Copan e pretende transformar o local em um centro permanente de artes a partir de parcerias com instituições e galerias). Os trabalhos ficam em exposição a partir de hoje e o leilão acontecerá no dia 28 de novembro, a partir das 19h30.

Mais informações sobre o projeto podem ser encontradas em http://pt-br.facebook.com/pivoarte.

Exposição Gil 70
  • 26_pb
  • 26_pb_3
  • 26_2
  • Todo_dia_26_2
  • Todo_dia_26_geral

Lenora de Barros participa da coletiva "Gil 70" com uma obra criada a partir de 70 páginas de calendário do mês de junho, desde 1942, ano de nascimento de Gilberto Gil. 

A exposição fica em cartaz no Centro Cultural Correios, no Rio de Janeiro, até 28 de outubro de 2012.

 

Entrevista com Anna Maria Maiolino


Segue transcritra uma excelente entrevista realizada por Carlos Albuquerque com Anna Maria Maiolino, sobre a participação da artista na dOCUMENTA (13), originalmente publicada no site www.dw.de:

A instalação "Here & There" (Aqui e ali) de Anna Maria Maiolino é uma das obras mais comentadas da 13ª edição da maior exposição mundial de arte contemporânea, que acontece a cada cinco anos em Kassel, na Alemanha. Situada nos limites de um parque Karlsaue, a casinha de jardineiro ocupada pelo trabalho de Anna Maria Maiolino fica bem próxima de onde moravam os Irmãos Grimm. E não é difícil perceber a atmosfera onírica que permeia o local, repleto de obras de arte da Documenta deste ano.

Numa espécie de trabalho de arte total, a artista de origem italiana usou todos os espaços da casa do jardineiro, preenchendo-os do porão ao sótão com argila modelada, vozes e cheiros, interligando espaços internos e externos, e enriquecendo o entorno com sons de pássaros brasileiros provenientes de instrumentos indígenas. Segundo Maiolino, aquele seria um "espaço a ser tomado de forma poética e a favor da vida". Maiolino disse que fazer esse trabalho foi algo muito "prazenteiro". E foi com grande prazer que a DW Brasil conversou com a artista em seu ateliê, em São Paulo, sobre a exposição na Alemanha, sua obra e sua vida.

"Tenho 50 anos de trabalho e 70 de idade. Sou uma artista dos anos 1960, que experimentou Super 8, performances, instalações, desenho, escultura, ou seja: eu sou uma pessoa curiosa. Sou uma artista curiosa que vai para as outras mídias, porque isso alarga o discurso da obra quando se vai para outros suportes. Sons já estavam presentes nos Super 8 dos anos 1970, depois foram para alguns vídeos e, no ano retrasado, fiz uma performance na [Fundação] Eva Klabin, utilizando sons.
Então, a Carolyn [curadora da Documenta] me convidou. Ela veio aqui para a Bienal de São Paulo há dois anos. Ela me convidou e sugeriu que gostaria de uma instalação de argila, mas me deixou livre, realmente ela foi super generosa. E por ocasião da inauguração da minha retrospectiva na Fundação Tàpies, em setembro de 2010, ela me pediu para ir até Kassel, para escolher um espaço e conversarmos. Ela me fez conhecer a cidade, eu nunca havia estado em Kassel, nem como convidada, nem como espectadora.
E eu achei que a cidade tinha uma história, que, mesmo que você não queira, bate na memória. Ela me levou para o Breitenau [antigo campo de concentração nazista], que foi um mosteiro, que foi sede da Gestapo, reformatório de meninas e que agora é um manicômio aberto e um museu. E depois passeamos um pouco pela cidade, até que eu cheguei naquela casinha, entrando não por onde eles estão fazendo entrar pelo parque, mas pela rua – pela Auerdamm 18 – o que para mim foi um encanto. Porque, passando por lá, ela me disse, apontando para o outro lado do parque: "Aqui moraram os irmãos Grimm".

Eu já estava saindo do terror do espaço do Breitenau, com toda a responsabilidade que se sente perante a opressão e perante o fato de os poderes, alemães ou não, tenderem sempre a colocar a cabeça das pessoas naquilo que eles acham que é normalidade, num molde. E na verdade se trata de uma esquizofrenia dos poderes. Eu estava muito impactada, e fiquei pensando nas fábulas dos Irmãos Grimm, que são maravilhosas, mas também terrorizam, pois criança morre de medo.

Então quando vi aquela casinha, pensei: eu quero essa casa, porque é um espaço a ser tomado poeticamente a favor da vida. Eu disse a Carolyn: "Tudo bem, você quer instalação de argila, eu a farei, mas eu quero me divertir, eu quero fazer trabalhos novos". E, na última hora, quando vi os pregos que não mexi e que eu tinha umas fotos de ovos que eu estava levando para outra pessoa, acabei emoldurando e pendurando nas paredes, e coloquei o filme "+ - = -", feito no fim da ditadura militar no Brasil.

Porque na verdade eu estava querendo falar do embrião, do ovo como símbolo arquétipo por excelência da vida, que se renova, que apesar de tudo, resiste. Tanto é que naquele vídeo não há ganhadores. Foi um momento político do Brasil que, de certa maneira, foi tétrico como Breitenau. Então, na verdade, o trabalho em si, é um trabalho político em certas questões conceituais.

Nele se tem um ente operante que é o térreo, onde fundamento toda a minha experiência do gesto primeiro da mão nessas formas básicas, que são iguais ao que o padeiro realiza, que depende da metáfora do espectador, que depende de onde estão colocadas. O espectador pode encontrar alimentos, e se estão no chão, dependendo do tamanho, ele pode encontrar fezes. Porque as massas úmidas e básicas na forma são parecidas.

Mas, para mim, o trabalho é a presença da energia gasta durante a realização dessas formas básicas iguais e diferentes, que são pulsões, portanto são natureza. São produto da natureza de quem a faz. Elas não se repetem, porque nenhum indivíduo faz uma vírgula igual a outra.

Então, nessa direção, digamos, é que o Deleuze aparece – igualdade e diferença. E aí foi ocupar a casa como estava. Alguma mobília já existia, fiz uma limpeza muito superficial, porque não queria que a casa mudasse de aspecto. Eu ocupei – aí vem uma questão: eu também tenho uma memória. Sou calabresa de nascimento, apesar de estar no Brasil há mais de 50 anos, há um lado meu atávico.

Eu sou a última de dez filhos. Minha mãe hoje teria 112 anos. Eu nasci durante a guerra, sou de 1942. E, obviamente, na minha casa quando vinha muita gente, toda a superfície possível – a cama, etc. – era tomada pela pasta feita em casa. E claro que a argila tem toda essa relação com a massa feita em casa. E então ocupei todas as superfícies possíveis da casa.

Mas na verdade é o espectador que encontra o seu próprio fazer do cotidiano, porque quando se está diante de uma entropia, de uma energia gasta visível, eu espero que o espectador faça dele aquele trabalho e se reconheça como um trabalhador, como um trabalhador prazenteiro, porque a argila é extremamente lúdica e extremamente prazerosa. E tem mais, a argila tem em si todas as formas.

Ela carrega em si a possibilidade de múltiplas formas, porque, arquetipicamente, ela remete até Adão. E, ancestralmente, essas formas primeiras remontam ao primeiro gesto realizado pelos nossos antepassados, quando deixaram a boca e fizeram da mão uma ferramenta, criando suas culturas.

Então, é claro que essa instalação Here & There – que são dois advérbios, porque eu estou ocupando o interior e o exterior da casa – é um trabalho, a meu ver, simples e complexo. Por outro lado, eu junto toda a minha poética desses 50 anos aí.

E lá em cima eu resolvi criar um espaço ambivalente. Há uma ambivalência espacial, o interior sugere o jardim, que tem os pios, que também foi uma coisa que logo senti que eu tinha que ocupar com alguma vitalidade brasileira. Os pios vêm de instrumentos artesanais. Trabalhei com a Sandra Lessa e Tânia Piffer no som e na edição que fiz junto com elas e com o Mateus Pires, que me ajuda com som e imagem no ateliê.

Quando cheguei a Kassel era inverno, eu não ouvia os passarinhos de Kassel piar. E achei aquela paisagem linda, mas extremamente monótona, e também triste, como se exalasse todo o sangue, todo o passado de Kassel naquela monotonia. Eu queria trazer algo vivo, eu queria falar de vida, mesmo que eu fale de morte no meu poema, lá em baixo, que é muito paradoxal.

O poema Eu sou Eu é uma total subjetividade, onde eu espero que na minha subjetividade, na minha emoção, o Outro se encontre. Eu falo de certo espanto diante das coisas do mundo, e ao mesmo tempo são pensamentos poéticos e filosóficos que qualquer criança faz.

Como é que eu vou contar as estrelas? É impossível. Eu disse no poema, a minha matéria é a mesma matéria das estrelas. São essas coisas que qualquer criancinha se pergunta e que o ser humano até a morte vai se perguntando.

E falo de ciclos. Na verdade, a argila cumpre o seu destino: ela petrifica e volta a ser pó, e colocando água, ela volta a ser uma boa massa, para seguir trabalhando. E lá em cima, os pinhos também vão voltar para a terra. E, na verdade, o ovo, em sua simbologia, também fala de ciclos. É por aí que a coisa vai, ela não é linear. Eu trabalho por metáforas e analogias. Mesmo o título não significa nada, não esclarece nada, ele aponta lugares: Here & There."

Entrevista: Carlos Albuquerque
Revisão: Mariana Santos
Fonte: http://www.dw.de/dw/article/0,,16032053,00.html

Exposição Espelho Refletido
  • Espelho_de_po
  • Espelho_refletido

Paulo Climachauska participa da exposição Espelho Refletido - O Surrealismo e a Arte Contemporânea Brasileira. Com curadoria de Marcus de Lontra Costa, a mostra propõe relações entre o universo surrealista e a produção brasileira recente. 

No Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica (Rio de Janeiro, RJ), até 31 de julho de 2012.

Prêmio PIPA 2012


Thiago Rocha Pitta é um dos finalistas da terceira edição do Prêmio IP de Arte, ao lado de Marcius Galan, Matheus Rocha Pitta e Rodrigo Braga. Os quatro artistas apresentarão uma exposição no MAM - RJ entre outubro e dezembro de 2012, durante a qual o vencedor será selecionado.

Mais informações sobre o Prêmio: http://www.pipa.org.br/pipa-2012/finalistas-2012/

Lenora de Barros - Aire de Lyon
  • Lb_tempinhos
Play assistir

Nesta entrevista, Lenora de Barros fala sobre as obras que apresenta na exposição Aire de Lyon, em cartaz na Fundación PROA (Buenos Aires, Argentina). A artista comenta sobre o processo de criação e montagem de Tempinhos, Utopy e as colunas que escreveu para o Jornal da Tarde entre 1993 e 96 (exibidas em novo formato na exposição, acompanhadas de performances vocais inéditas baseadas nos textos). 

Mais informações sobre a mostra: http://www.proa.org/esp/exhibition-aire-de-lyon.php

Art 43 Basel
  • Img_1393
  • Img_1390
  • Img_1398
  • Img_1397
  • Img_1396
  • Img_1389

Aconteceu ontem a abertura para convidados da Art 43 Basel. Veja fotos do nosso estande no álbum acima.

1 2 3 4 5 7 próximos     Seta-topo     voltar ao topo
rua fradique coutinho, 1360 são paulo, sp brasil 05416-001 | tel/fax +55 11 3031 6007
Agencia-digital-d2b-comunicacao